18/01/2019 - 10h47

Com intervenção em Cabedelo, PT demonstra que está definitivamente alinhado ao projeto de RC

Por Flávio Lúcio

É no mínimo muito estranha a decisão da Executiva Estadual do PT de intervir no Diretório Municipal de Cabedelo para impedir o apoio do partido à candidatura do vereador oposicionista João Eudes, do PTB.

Isso depois de realizada a convenção partidária.

Em seguida à intervenção no diretório de Cabedelo, seguiu-se o anúncio do apoio à candidatura de Marcos Patrício, do PSOL, que já tinha o do PCdoB.

Não vou entrar no mérito do apoio, só aparentemente em consonância com a linha política adotada pelo PT nacionalmente depois das eleições de 2018.

Vou tratar da forma adotada, que passou por cima da posição da instância partidária municipal, e de suas consequências políticas no plano estadual.

Quanto à forma adotada, não parece sequer razoável a intervenção, sobretudo se considerarmos tratar-se de uma novidade na relação entre as instâncias do PT.

Na medida em que, na maioria dos municípios paraibanos, as alianças do PT não acompanham a linha adotada, nem no plano nacional nem no estadual, seguindo sempre a particularidade política de cada cidade. Por isso, vai ser ainda necessário acompanhar se essa postura adotada para o caso de Cabedelo se repetirá nas eleições de 2020.

No caso dos efeitos políticos da decisão da Executiva Estadual petista, não há como negar que ela é claramente favorável ao candidato apoiado pelo ex-governador Ricardo Coutinho, o candidato do PRB que concorre sentado na cadeira de prefeito, Vitor Hugo.

Vitor Hugo é prefeito escolhido de maneira indireta pela Câmara de Vereadores e, enquanto foi vereador na atual legislatura, pertenceu a base de sustentação do ex-prefeito Leto Viana, preso por corrupção ao lado de mais da metade de sua bancada.

Talvez por ser do PRB, o partido da Igreja Universal, cujo alinhamento a Jair Bolsonaro, hoje, só não é maior do que o dos filhos do atual presidente, o PT não tenha considerado apoiar Vitor Hugo.

Também é bom não desconsiderar a hipótese de que à candidatura de Vitor Vitor Hugo não interessava o apoio do PT. Cabedelo está entre as poucas cidades paraibanas onde Bolsonaro venceu na eleição de 2018, e esse sentimento antipetista ainda pode perdurar por lá.

Enfim, o que a atitude petista parece demonstrar no caso da intervenção em Cabedelo é que, mais do que alinhamento à linha nacional, o partido se mostra plenamente engajado no projeto de Ricardo Coutinho.

O prêmio por isso nós saberemos em breve.

Comentários