23/01/2019 - 17h03

Bolsonaro reconhece opositor de Maduro como presidente da Venezuela: guerra a vista?

Por Flávio Lúcio

Para manter a atitude servil diante dos EUA, que marca o governo governo brasileiro mesmo antes de Jair Bolsonaro tornar posse, o Itamaraty deu mais um passo na confrontação com a Venezuela: reconheceu  Juan Guaidó, auto-proclamado Presidente da Assembleia Nacional venezuelana, como presidente interino do país.

Trata-se de uma clara ingerência em questões internas do país vizinho e colocam a séria dúvida sobre o papel do Brasil no deselace de uma guerra civil que parece a cada dia mais provável.

Caso os EUA resolvam entrar em guerra contra a Venezuela em apoio aos opositores do governo de Nicolás Maduro, o que não está descartado,  é bastante provável que Bolsonaro siga também os passos do Tio Sam e envolva o Brasil numa conflito cujas motivações são puramente ideológicas. E para mostrar subserviência a Donald Trump.

O primeiro passo já foi dado. Segundo a nota do Itamaraty divulgada hoje:

“O Senhor Juan Guaidó, Presidente da Assembleia Nacional venezuelana, assumiu hoje, 23/01, as funções de Presidente Encarregado da Venezuela, de acordo com a Constituição daquele país, tal como avalizado pelo Tribunal Supremo de Justiça (TSJ). O Brasil reconhece o Senhor Juan Guaidó como Presidente Encarregado da Venezuela. O Brasil apoiará política e economicamente o processo de transição para que a democracia e a paz social voltem à Venezuela”, diz a nota do Itamaraty.

É bom os brasileiros não subestimarem o fato. Bolsonaro está desesperadamente em busca de uma situação que desvie a atenção dos problemas que ele enfrenta.

E, apesar de distante de nossas tradições, uma guerra seria uma “mão na roda”.

Comentários