25/01/2019 - 08h43

A contraofensiva de Bolsonaro contra Jean Wyllys já começou

Por Flávio Lúcio

Ontem, o deputado federal pelo PSOL do Rio de Janeiro, Jean Wyllys, anunciou ontem que vai abandonar o Brasil e renunciará ao segundo mandato de deputado federal para o qual foi eleito em outubro passado.

Ele disse que fazia isso porque se sentia ameaçado e o assassinato da vereadora Mariele Franco, também do PSOL do Rio de Janeiro, ainda hoje sem perspectiva de solução, é uma evidência de que o medo de Wyllys faz todo sentido.

Sobretudo ele, um dos alvos preferidos pela homofobia dos Bolsonaro. Sobretudo quando fica cada vez mais evidente o envolvimento de Flávio Bolonsaro com as milícias do Rio, sobre quem pesam as suspeitas de execução de Mariele.

Em razão das circunstâncias, o anúncio de Jean Wyllys noticiado com grande destaque na mídia nacional chocou parte da população. Ao passo do próprio presidente, de Davos, recuar (mais uma vez) de um comentário feito pelo Twitter – “Grande dia!”, tuitou ele, – em que comemorou a decisão do desafeto: Bolsonaro disse que, entre outras coisa, comemorava o desempenho das Bolsas de Valores no Brasil.

A contraofensiva contra Jean Wyllys

Não pense que o jogo sujo que marcou a campanha que elegeu Jair Bolsonaro morreu com sua eleição. Num governo que até agora foi incapaz de apresentar qualquer proposta consistente para enfrentar a crise que o país atravessa, e marcado por denúncias que envolvem, por enquanto, pessoas muito próximas, lançar nuvens de fumaça para desviar o foco do debate continuar a valer como nunca.

Pois bem, ao acordar, abri o Youtube hoje no aplicativo para celular e estava lá, em destaque (a neutralidade do Google me impressiona!), o vídeo de uma bolsonarista procurando demonstrar que Jean Wyllys pode estar por trás da tentativa de assassinato a Jair Bolsonaro durante a campanha. O título do vídeo em caixa alta (como sempre): “E AGORA JEAN WILLIS? PRESIDENTE BOLSONARO”.

No vídeo, apesar de começar dizendo que a informação recebida de fonte não revelada não está confirmada (?), a senhora insinua que Jean Wyllys pode estar por trás da ação de Adélio Bispo, o autor da facada que ajudou a eleger Bolsonaro.

Tuíte de Bolsnaro no início da manhã de hojeEm pensei ser mais uma desses malucos que infestam as redes sociais e o Youtube e, mesmo assim, têm milhares de seguidores – no caso, o canal em questão tem 300 mil inscritos no Youtube.

Mas, em seguida, vi que se tratava de uma ação organizada, partindo provavelmente do QG bolsonarista. Pelo Twitter, vi que o próprio presidente dava seguimento às insinuações.

Em postagem às 08h16, horário de Brasília, ele postou no Twitter: “Alguns passos de Adélio Bispo, ex-filiado do PSOL, o criminoso que tentou matar Jair Bolsonaro”. Abaixo, uma imagem com um texto se referindo às relações de Bispo com o PSOL.

Em seguida, uma tag começou a ser levantada no Twitter: #InvestigarJeanWillis.

Vamos observar o desenrolar dos “fatos” de hoje.

Comentários