26/01/2019 - 19h45

Lá e ou lou: ex-secretário de RC agora serve a Bolsonaro

Por Flávio Lúcio

A nomeação do ex-Secretário de Planejamento, Orçamento, Gestão e Finanças no governo Ricardo Coutinho, Tárcio Handel Pessoa, para uma das Secretárias Adjuntas do Ministério do Turismo do governo Bolsonaro é mais um indicativo do quanto são fluídas, para dizer o mínimo, e carentes de qualquer coerência nacional as alianças feitss aqui na Paraíba.

Não parece causar estranheza, nem na política nem na imprensa, o fato de alguém servir a dois senhores que se posicionam nos extremos opostos do espectro político nacional.

Uma boa justificativa é se esconder por trás do que poderíamos chamar de “razão técnica”, tão adequada para esses nossos tempos em que todas as diferenças parecem se diluir em meio a esse esforço de colocar um fim na política – quando essas diferenças deixam de ser consideradas não é isso que se realiza, uma punhalada no coração imortal da política?

Lula e Dilma Rousseff acreditaram piamente em sua própria ilusão e não perceberam que esse mimetismo dos burocratas, sobretudos daqueles ligados ao mercado financeiro, não acabava com as diferenças de fundo. Servir aos bancos, eis a razão de tudo. E a tragédia está exatamente nisso: mesmo sendo úteis ao “mercado”, Lula continua preso e Dilma perdeu a cadeira de presidenta.

Julian Lemos, o deputado federal do PSL que indicou Tárcio Handel Pessoa para o cargo, mostra duas coisas com isso: primeiro, que ele não tem quadros “técnicos” para indicar; segundo, o quanto ele é neófito na política, principalmente paraibana.

Até nisso o governo Bolsonaro não acerta.

Comentários