04/02/2019 - 08h40

Operação Calvário: a montanha pariu um rato no Fantástico

Por Flávio Lúcio

Depois de ter circulado por alguns dias a “informação” de que o programa Fantástico, que a Rede Globo exibe na noite dos domingos, apresentaria uma matéria sobre desvio de recursos públicos no Hospital de Traumas de João Pessoa, administrado pela “Organização Social” Cruz Vermelha durante os últimos 8 anos, eis que nada de relevante, que pudesse envolver Ricardo Coutinho, foi mostrado.

A tentativa de envolver o governo anterior com desvios praticados pela Cruz Vermelha no Rio de Janeiro foi de tal maneira frustrada que a única imagem com alguma capacidade de gerar duvida foi a de um ex-assessor da secretária Livânia Farias, Leandro Nunes, recebendo um caixa de vinho de uma mulher. Uma única cédula não foi mostrada, o que nos leva a supor que poderia haver qualquer coisa na caixa, inclusive vinho.

A falta de isenção da “reportagem” foi tal que quase não houve espaço para que o Governo da Paraíba se pronunciasse, enquanto procuradores do Rio de Janeiro e da Paraíba tiveram espaço de sobra para se pronunciavam de maneira genérica sobre o envolvimento da Cruz Vermelha com desvios de recursos públicos.

Na matéria inteira, foram destinados alguns segundos para a leitura protocolar de um trecho da nota divulgada na última sexta sobre ações da PF na capital paraibana envolvendo a Operação Calvário, que investiga a Cruz Vermelha, em que o governo paraibano nega maneira protocolar envolvimento nos desvios.

O trecho mais importante, e que demonstra que o montante de mais de um bilhão de reais repassados à Cruz Vermelha se refere ao contrato de prestação de serviços cobrados para a OS administrar o Trauma.

Nada que questionasse que esses serviços não foram executados foi apresentado.

Enfim, se a matéria do Fantástico serve para alguma coisa é para demonstrar que a imagem de lisura que Ricardo Coutinho cultivou ao longo dos últimos 8 anos sai reforçada.

Se depois de meses de investigação o que o Ministério Público tem a apresentar que questione isso, RC pode dormir tranquilo.

E a Paraíba também.

Comentários