16/02/2019 - 12h50

Viva às armas? O taxista estava no carro, mas bem que poderia ser eu. Ou você

Por Flávio Lúcio

Se a morte do taxista Paulo Damião dos Santos não levar aqueles que defendem a posse e o porte de arma no mínimo a uma reflexão, o Brasil estará na direção de pavimentar definitivamente o caminho para um retrocesso civilizatório.

Paulo Damião foi assassinado no final da tarde de ontem pelo corretor de imóveis Gustavo Teixeira, de 40 anos, por um motivo banal – o corretor se irritou com uma manobra demorada do taxista.

Esse é o principal sintoma de que a cultura da violência ganhou o Brasil nos últimos anos.

Num país já violento como o nosso, permitir que pessoas se armem será abrir a porta para que tragédias como a de ontem voltem a se repetir à exaustão.

No Brasil, civis e policiais já morrem mais do que em países que vivem em guerra declarada.

Aqui, gays são atacados e mortos nas ruas apenas por serem gays; mulheres morrem por serem consideradas posses de maridos e namorados; indivíduos bêbados são hoje capazes de se incomodarem com um fato banal a ponto de sacar a arma presa na cintura e atirar três vezes no peito de um desconhecido.

Parece que a lava de ódio, que ardia no subsolo em busca das frestas que a levassem à superfície da cordialidade brasileira, encontra cada vez seu caminho. E expelir ódio pelas redes sociais pode ser que seja insuficiente. Tornou-se necessário ultrapassar as fronteiras da violência simbólica.

Apontar “arminhas”, que simboliza uma adesão política e uma forma de ver o mundo, parece se tornar cada vez mais uma maneira de viver no mundo.

O corretor está preso e pode passar alguns anos na prisão. Sua vida vai mudar, talvez para sempre. Talvez agora esteja a lamentar carregar uma arma em um momento de fúria.

Paulo Damião dos Santos, o taxista, está morto. E mesmo sem conhecê-lo, choro por ele, mas não apenas. Choro por todas as vidas que se foram e as que estão por ir, engolfadas por um ódio sem motivo.

Paulo estava no carro, mas bem que poderia ser eu.

Ou você.

Comentários