10/05/2019 - 11h25

O Belo tem uma das melhores administrações e um dos melhores técnicos do Brasil

Por Flávio Lúcio

Dois nomes resumem a vitória de ontem e o futebol arrasador que o Botafogo vem jogando: Evaristo PIZA.

Piza fez o Belo se impor desde o começo do jogo de ontem contra o Náutico valendo uma vaga na final da Copa do Nordeste. Nos10 primeiros minutos o Botafogo criou 3 chances reais de gol, mostrando um futebol ágil, rápido, variado, intenso.

Foi mesmo empolgante ter visto o jogo de ontem, sobretudo no segundo tempo quando o Botafogo massacrou um Náutico que parecia atordoado.

Quando tomou o gol de empate, ao invés de vacilar com medo de uma derrota, Piza fez entrar três atacantes, dois deles no lugar de jogadores de meio.

Eu não tenho medo de afirmar: um dos melhores treinadores do Brasil, hoje, trabalha no Botafogo (DA PARAÍBA).

Aliás, as tradições e a história de um clube como o Náutico não o impediram de ser reduzido a um time de segunda categoria, covarde, que se recusou a jogar no segundo tempo à espera de um empate para levar a decisão para os pênaltis.

A quantidade de vezes que jogadores do Náutico desabaram para ganhar tempo, num clara demonstração de inferioridade, deve ter sido constrangedor para a imensa torcida pernambucana que veio a João Pessoa esperando ver seu time jogar.

E o que viu foi um espetáculo de futebol, garra e vontade de vencer que o Botafogo proporcionou a sua torcida e ao Brasil inteiro.

Mas, eu começo a enxergar além do jogo de ontem.

E, desculpem a empolgação, acho que o que vimos ontem no Almeidão foi um rito de passagem de um clube entrando para o pequeno rol das grandes equipes do Nordeste, após umaa transição que durou 5 anos.

Talvez depois eu explique melhor porque eu acho isso, mas posso antecipar uma pista: o que o que acontece com o Botafogo é estrutural, organizativo, financeiro, não sendo apenas resultado de termos montado um bom time. Isso também é verdadeiro.

O que acontece ao Botafogo é semelhante ao processo que elevou o Flamengo a um patamar superior no futebol brasileiro atual.

Em ambos os casos, e sem considerar as diferenças entre os dois clubes, estamos diante de um fenômeno durável caso as maneiras de administrar sejam mantidas.

Se o Botafogo fosse um grande clube do Sudeste ou do Sul, certamente estaríamos sendo estudados como um “case” de sucesso e uma referência de administração no futebol. Hoje, o sucesso atual do Botafogo é dentro e fora do campo.

Teremos anos que esse feliz encontro não acontecerá, mas contaremos sempre times competitivos, pelo menos no papel.

Mas, vamos deixar o futuro de lado e aproveitar o presente. Vamos curtir a condição de melhor time de futebol do Nordeste, independente do resultado da final contra o Fortaleza.

Comentários