17/09/2019 - 10h16

O G11 já assumiu o poder; Adriano Galdino é o primeiro-ministro

Por Flávio Lúcio

A foto acima é o registro de um almoço entre o G11 e João Azevedo, na última sexta, depois que o governador fez o famoso discurso em que disse que se elegeu porque rodou muito a Paraíba durante a campanha.

O G11 é o grupo de deputados estaduais de vários partidos, criado no início do atual governo, e já pode ser considerada a maior obra política da dobradinha Adriano GaldinoNonato Bandeira – é bom prestarmos atenção na desenvoltura desses dois.

O encontro aconteceu na última sexta (13/09) na fazenda de Genival Matias, deputado estadual do Avante. Entre os comensais, nota-se, além da onipresença do presidente da Assembleia, Adriano Galdino, o verdadeiro chefe do G11, um envergonhado Anísio Maia, o suplente de deputado petista que, temerariamente, associou-se ao G11 em busca da possibilidade de assumir o mandato na Assembleia.

Foi com o suporte do G11 que Adriano Galdino já assumiu a condição de primeiro-ministro do atual governo, com a ajuda do seu operador político Nonato Bandeira – João Azevedo erra mais uma vez ao achar que Nonato trabalha para o projeto do governador. É Adriano Galdino, através de Nonato Bandeira, quem dita as regras, os caminhos, as atitudes que o governador deve assumir.

Com o poder da imprensa bolsonarista, mobilizada pela máquina da Assembleia, Adriano passou a conduzir a política do governo e a dar as cartas.

O TREM DA ALEGRIA VOLTOU A APITAR NA PARAÍBA

Prova disso são as mudanças em curso, que começaram pela Cagepa. Na cidade de Marizópolis, por exemplo, um blog da região (blog do Silvano Dias), noticiou que o novo Diretor do setor de abastecimento da Regional de Sousa (Alfredo Martins Mascarenhas) foi indicado pelo prefeito Zé de Pedrinho, do PSDB, e pelo deputado estadual Júnior Araújo, do Avante.

Segundo registra o blogueiro, “o novo diretor é cunhado” de um político de Marizópolis. O blogueiro sousense mostra a cara dessa nova ordem: “Segundo Informações, haverá também mudanças nos próximos dias nos cargos: contratados e comissionados da Escola Silva Mariz.”

Deve ser por isso que essa turma adora o estilo do “negociador” João Azevedo.

O G11, ADRIANO GALDINO, HERVÁZIO BEZERRA

Foi com o apoio do G11 que Adriano Galdino se elegeu presidente da Assembleia pelos próximos quatro anos, traindo um acordo fechado às vésperas da eleição da Mesa da Assembleia, acordo fechado, diga-se, dentro da residência oficial do governador, na presença do próprio João Azevedo e de quase toda a base parlamentar do governo.

Um dos que sentiram o fio do punhal de Galdino entrar em suas costas foi o deputado Hervázio Bezerra, que estaria hoje eleito presidente da Assembleia para o segundo biênio, não fosse essa trama urdida não se sabe a quantas mãos, se dentro ou fora do Palácio da Redenção.

O traído Hervázio Bezerra hoje vive a brindar com quem o traiu, praticando seu servilismo contumaz. Da mesma maneira que um dia aderiu ao governo Ricardo, para o desgosto de Cícero Lucena, a quem jurava de pés juntos fidelidade eterna, hoje esqueceu o que RC fez por sua carreira e transformou a crítica ao ex-governador em seu esporte predileto. Hervázio tenta mostrar um apego pela democracia partidária que nunca teve – Hervázio conviveu por anos no PSDB de Cássio Cunha Lima. É que, para certos tipos de político, o ato de traição não é suficiente; elas têm de demonstrar quem agora é seu novo senhor.

A atitude de Hervázio é a mesma de outros cristão-novos  da política paraibana. Para se mostrarem confiáveis, tentam renegar o passado, mas é difícil. Foi Ricardo Coutinho tirou Hervázio do ostracismo, mantendo-o por oito anos na Assembleia como líder do governo.

Hervázio só conseguiu a titularidade do mandato com a ajuda decisiva de Ricardo Coutinho, como mostra hoje, Tião Lucena em seu blog (clique aqui.)

Convenhamos, um governo com uma base parlamentar como essas não pode dar certo.

Comentários