05/10/2019 - 12h10

As fake news de Walber Virgulino

Por Flávio Lúcio

Partiu do deputado Walber Virgulino (Patriotas)fake news sobre o preço dos lustres que decoram o plenário da Assembleia Legislativa.

Em seu Instagram, o deputado postou o seguinte texto, acompanhado da foto dos dois lustres: “Em tempos de polêmica, um passarinho me contou que a gestão passada pagou 500 mil em cada lustre desses”.

A informação é tão inverossímil que o próprio Virgulino completa: “(espero que seja MENTIRA).”

Ou seja, mesmo sem ter certeza de que a informação estava correta, o deputado a postou assim mesmo. E ajudou a propagar uma mentira, porque o valor de cada lustre foi, na verdade, de R$ 18.337,27! 

Mesmo assim, o deputado não reconheceu o erro e pedir desculpas, porque a postagem continua no ar na rede social do deputado.

DESAFIO DE GERVÁSIO MAIA

A intenção de Virgulino foi atingir o deputado federal Gervásio Maia, a obsessão de Adriano Galdino. Assim que foi divulgada a fake news de Virgulino, Gervásio Maia o desafiou a provar o que disse. Em entrevista à rádio Arapuã, Gervásio disse que renunciaria ao mandato caso fosse verdade a “informação”, e desafiou Walber Virgulino a fazer o mesmo.

Virgulino até agora se faz de doido.

Mais responsabilidade, deputado. Bastaria uma consulta aos documentos que a própria Assembleia deve dispor em arquivo para evitar tamanho vergonha, que é ter revelada uma mentira publicamente.

O pior é que atitudes como essas, que já se repetiram em outras ocasiões, não colocam em dúvida apenas a credibilidade de Walber Virgulino, mas do poder legislativo da Paraíba, que abriga um deputado que não sente nenhum constrangimento em criar e propagar fake news.

O mínimo que se espera de um deputado é responsabilidade e postura na condução do mandato que o povo lhe conferiu. É demais pedir que ele cheque informações antes de divulgá-las, sobretudo se elas atingem a honorabilidade de pessoas que, como ele, dependem da imagem pública?

E não é a primeira vez que Walber Virgulino age dessa maneira, Ele, por exemplo, já divulgou que o empresário Roberto Santiago tinha regalias na prisão, como ar-condicionado na cela, e foi desmentido em NOTA pela própria PM (veja aqui matéria produzida pela TV Tambaú sobre o caso).

Comentários